06 Jul 14

Por que eu decidi parar de beber

Saúde express
Por Luciana Vieira

diga_nao

Se você acompanha o blog ou conhece um pouco da minha vida, sabe que o álcool fez parte de uma boa parte dela. De certa forma considero que tive com ele uma relação saudável, embora tenha passado do limite algumas vezes. Os exageros já faziam parte do passado, mas mesmo assim decidi parar de vez de beber.

Não sei se isso é definitivo e talvez nunca tenha essa resposta. Porém sei muito bem porque decidi parar. Aqui vou contar pra vocês o que me fez tomar essa decisão e como estou me sentindo depois de mais de 3 meses longe dos copos.

Por que eu decidi parar de beber

bebida

  1. Eu trabalho com saúde. O que “vendo” pra vocês são dicas para melhorar a alimentação, ter um estilo de vida mais saudável. O álcool não está dentro das minhas recomendações. Parece muito superficial falar de saúde, dar dicas de viver melhor quando eu mesma não sigo o que considero saudável. Achei que o discurso não “colava mais”, estava deixando de ser consistente.
  2. Álcool é cancerígeno. Existe uma ligação forte entre consumo de álcool e cânceres de mama e intestino. Mais de 15% dos cânceres de mama estão associados ao consumo de álcool.
  3. Os efeitos inflamatórios do álcool me pegavam de jeito. Comecei a perceber que na manhã seguinte a um jantar regado a vinho, acordava com dor nas articulações das mãos.
  4. Depois que tive a Olivia e amamentei por tanto tempo, meus hormônios nunca voltaram ao normal. Cada mês percebia que algo estava desregulado. Sei que o álcool atrapalha demais o sitema endócrino feminino. E agora, depois de 3 meses sem beber, tenho confirmada essa “teoria”.
  5. Álcool deprime e deixa a gente de mau humor. Sem contar que tinha noites péssimas, pois embora desmaiasse imediatamente pelo cansaço e pela “molezinha” que o álcool dá, acordava às 3 da manhã sentindo que tinha uma maratona a ser terminada, com a energia a mil, para as 7 da manhã estar totalmente acabada, sem energia, humor ou paciência.
  6. A bebida dificulta o processo digestivo e a absorção de nutrientes. Ele reduz a quantidade de enzimas que o pâncreas produz, que ajudam a metabolizar gorduras e prejudica a quebra dos carboidratos que comemos, dentre outras coisas. Depois do jantar mais saudável que alguém poderia ter, que é o que procuro sempre ter, não fazia mais muito sentido finalizá-lo com algumas taças de vinho.
  7. Não quero que minha filha cresça em um ambiente em que é normal 2 pessoas beberem uma garrafa de vinho em um jantar. Está provado que jovens que desenvolvem cedo o hábito de beber têm pais que tratam a bebida como algo corriqueiro. Foi assim comigo. Não quero que seja com a minha filha.
    Está certo que depois que ela nasceu a gente já nem sempre conseguia dar conta de uma garrafa de vinho durante um jantar no fim de semana e mesmo assim, quando isso acontecia, o dia seguinte era totalmente perdido. E com filho pequeno também não podemos nem nos dar ao luxo de ter uma ressaca.

menino_ataque_2

Como me sinto

Acho que não tinha tomado essa decisão antes porque no fundo pensava que seria impossível, afinal não sabia o que era vida social sem o álcool. Ele sempre fez parte da minha vida. Acho que não consigo me lembrar de nenhum evento social em que passei sem ele, com exceção das vezes em que estava doente ou me recuperando de alguma doença. Simplesmente não conseguia imaginar como seriam essas situações. Tudo bem que não tenho mais a vida social agitada que tinha antes da Olivia nascer, por exemplo, então talvez não beber nos (poucos) eventos sociais seja mais fácil agora.

Como lidar com o fato de não beber

Seja em casa, num bar ou restaurante, não comento que não estou bebendo e, para dizer a verdade, as pessoas normalmente nem se dão conta.

Uma preocupação que eu tinha é que ouviria pessoas falando (como eu mesma já fiz muitas vezes): “Você não está bebendo? Por que? Só uma tacinha então!” mas a verdade é que simplesmente ninguém diz nada e quando diz eu simplesmente digo que não estou bebendo hoje e pronto.

Muitas vezes me servem uma taça de champagne antes de me perguntarem se quero ou não. Eu simplesmente agradeço, seguro a taça por um tempo e a deixo de lado em algum momento. Descobri que ninguém de fato se preocupa se a gente está bebendo ou não.

Claro que se meu grupo de amigos estivesse na faixa do 20 anos, seria mais difícil passar despercebida, mas já foi provado que as pessoas se “preocupam” com o seu primeiro copo, mas depois que todos estão bebendo, ninguém mais repara no que está acontecendo ao redor.

O que é mais difícil?

Sinceramente é não ter um copo na mão e beber algo dele o tempo inteiro. Eu adotei um novo hábito: beber água com gás.  E um hobby: Sommelier de água (será que tem um nome p/ isso?). E o que mais me surpreende a cada evento social é que não tomar champagne, vinho ou cerveja não faz a menor diferença. Nem vontade de beber eu tenho tido.

Não estou dizendo que nunca mais vou beber. Também não tenho data para tomar a primeira taça de vinho. Vou seguir assim enquanto estiver bem com esta decisão.

Além de tudo acho o máximo voltar para casa dirigindo, ter energia para tirar toda a maquiagem antes de cair no sono, durmo super bem à noite e depois de uma “balada”, se não for acordada à noite por outros motivos (barulho, filha chamando etc) acordo num super bom humor e pronta para enfrentar o dia, seja ele como for. Sem contar que agora me divirto ao me dar conta de como alguns ficam tão bobos depois de beber um pouco a mais…

Fotos: Shutterstock

Se você encontrou algum erro neste texto, por favor, mande sua sugestão de correção aqui.
14 comentários
  1. Fernanda 25 Aug 2014 | 14:00

    Ótimo escrito!
    Obrigada por compartilhar.

    Responder
  2. Waldir Sincero 04 Nov 2014 | 23:57

    Luciana Vieira, você foi fantástica. Um incentivo a quem desejar fazer igual. Este artigo será muito útil para muitas pessoas. Parabéns.

    Responder
    • Waldir Sincero 05 Nov 2014 | 00:10

      Ótima postagem.

      Responder
    • Luciana Vieira 24 Jan 2015 | 14:30

      Waldir, muito obrigada pelo comentário. É por pessoas como você que eu tenho o prazer de continuar escrevendo!

      Responder
  3. Fernando 09 Mar 2015 | 17:09

    Tenho 50 anos e bebo desde os meus 17 , ja tentei parar vária vezes mas não consegui. Sua postagem me faz refletir , quero ver se consigo agora.

    Responder
    • Luciana Vieira 09 Mar 2015 | 17:36

      Oi Fernando, obrigada pela mensagem! Obrigada pelo feedback. É para pessoas como você eu tenho o prazer de escrever e dividir minhas experiências. Boa sorte na tentativa. Eu já estou há 1 ano sem beber. Tomei uns goles de vinho em 2 ocasiões, uma delas meu aniversário! Estou me sentindo muito melhor. O dia seguinte é sempre fantástico. Um abraço, Luciana

      Responder
  4. Fernando 09 Mar 2015 | 17:46

    Obrigado Luciana , decidi que vou para a partir de hoje , quero preservar meu casamento e minha familia que eu amo demais. Prometo escrever novamente para falar sobre minha experiencia e nova vida. Vou ser forte nesta decisão , não quero mais esta depressão toda segunda feira. Um abraço para você.

    Responder
  5. Érica 20 Mar 2015 | 05:35

    Como não acredito em acaso, não sabe o qto me ajudou neste post, me identifiquei em tudo ou quase tudo, já que dei um vexame no último domingo, digo vexame comigo mesma…fikei travada em casa enquanto meu marido dormia e o filho assistia desenho…daí vi mais uma vez o qto ele eh traiçoeiro! Percebi que eh tarefa quase impossível beber x ser boa mãe x cuidar da saúde. Obrigada pelo relato!! “Só por hj!”

    Responder
    • Luciana Vieira 20 Mar 2015 | 09:19

      Obrigada Érica, pelo comentário! Sim, um dia de cada vez! O álcool, assim como o açúcar, são realmente um grande problema… e afasta as pessoas do momento presente… Não dá pra estar alerta, viver e aproveitar cada minuto da vida se a gente não está 100% atento. Viver sem ele é muito mais prazeroso. Só quando a gente começa a viver sem ele é que percebe! Boa sorte pra vc! Beijos

      Responder
  6. reginaldo b. cavalcanti 20 May 2015 | 22:18

    Enfim consegui e hoje sou muito mais feliz sem o alcool, mais de 10 anos sem saber o que era um domingo ,pois passava mal e ficava de 3 a 4 dias na cama pelo uso do alcool e consequentemente o uso de outras dogras , brigas e confusoes , tudo ilusao , perdi varias oportunidades, empregos ,brigas com meus familiares entre outras coisas e sei que estou vivo ppr sorte , muitos falam de outras drogas mas particularmente o alcool e uma das mais destrutiva ,comecei aos 17 anos e parei com 35 anos e frequento os mesmos lugares de antes e nada de alcool , hoje sou muito mais feliz em todos os aspectos, hoje tento passar para as pessoas o mal que essa substancia provoca na vida delas e passo minha propria experiencia que foi devastadora ,perdas, brigas etc , nunca e tarde de mais pra recomessar tudo de novo ,,tenham fe e saiam dessa tremenda ilusao , se eu consegui ,vcs tambem conseguem…abracos a tds e otimo trabalho luciana vieira

    Responder
    • Luciana Vieira 28 May 2015 | 17:17

      Oi Reginaldo, obrigada pelo comentário e por dividir aqui a sua experiência. Imagino que a luta não seja fácil e é uma luta para vida toda, porém, ajudando outros, a luta deve ser menos exaustiva. Desejo a você muita saúde e energia para continuar falando sobre o assunto e ajudando outros. Um grande abraço, Luciana.

      Responder
  7. Fabricio 10 Mar 2016 | 21:58

    Obrigado por compartilhar! Serve de incentivo pra gente tentar!

    Responder
  8. Mauro Alberto Cima 31 Jan 2017 | 14:46

    Eu bebia desde os meus 14 anos de idade, hoje tenho 49 anos, fazem 6 meses que não bebo nada de alcool. Vou falar uma coisa estou parando sozinho, não é fácil, mas eu consigo. Minha vida melhorou e muito, perdi vários amigos, mas como diz o ditado amigo de copo não é amigo é bêbado igual vc, abandonei os bares, minha vida em casa esta muito melhor, pesava 107 quilos, hoje estou com 93 quilos, pretendo nunca mais beber nada de alcool.

    Responder
Escreva o seu comentário
* Não será divulgado

Up